terça-feira, 13 de abril de 2010

Poesia da Velhinha

         POESIA


Certo dia uma velhinha

Quase cega coitadinha

E já mal podendo andar

Encostada ao seu bordão

Sempre olhando para o chão



Ia na estrada a passar

Ouvindo um cão que ladrou

A pobrezinha parou olhando

Em roda assustada

Quis fugir não conseguiu

Tentou correr mas caiu

A pobrezinha coitada



Nisto surge uma menina

Linda formosa e ladina

Que ao vê-la cair no chão

Correu logo pesarosa

Condoída e carinhosa

À velhinha deu a mão



Eu a levanto avozinha

E a levo à sua casinha

Onde lhe dói, o que tem

Diga que eu já vou buscar

Qualquer coisa para a curar



Vou pedir à minha mãe

Não é nada meu amor

Tu és um anjo uma flor

Ajuda-me só a andar

Deus pague a tua bondade

Com grande felicidade

Disse a velhinha a chorar.

3 comentários:

  1. olá, se você ainda se lembra gostaria de saber qual foi o livro que você retirou essa poesia. Agradeço desde já!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este poema é composto por sextilhas. Há estrofes que não estão corretas. Para ficar certo, basta juntar sei versos de cada vez.

      Eliminar
    2. Este poema é composto por sextilhas. Há estrofes que não estão corretas. Para ficar certo, basta juntar sei versos de cada vez.

      Eliminar